sábado, 14 de maio de 2011

Me conta um segredo

Se eu precisar de um ombro amigo pra ouvir todas as coisas que estão aqui engasgadas e pra recostar a cabeça quando o limite parecer impossível de superar...você vai estar aqui?
Você vai rir das minhas bobagens, entender os meus dilemas, aceitar meu humor e discutir as coisas que eu gosto?
Vai sentar no banco da praça, deitar na grama sob a noite, sentar na beira da piscina e conversar comigo?
Você vai ser capaz de me agradar com sinceridade, cozinhar pra mim e servir a minha bebida preferida?
Vai segurar a minha mão, me dar carinho pra que eu esqueça quem já se foi?
Você vai me amar naquela intensidade, com toda aquela sinceridade, e me achar especial?
Me conta...você é capaz de tudo isso?
Talvez eu deixe você ficar, deixe você tentar me mostrar quem você é.
Mas caso você não seja capaz de tudo isso...não me arranque do meu lugar.
Frustrações eu já tenho demais.

3 comentários:

Anônimo disse...

Sinta o momento,
Feche os olhos e deixe a leve brisa tocar teu rosto, respire fundo e apenas observe o que sente se encontrar felicidade nesta simplicidade, talvez eu seja o vento passando bem pertinho de ti.
Em minhas linhas de cunho subjetivo poderá encontrar respostas. Aqui estou a escrever sem pretensão, apenas deixo fluir um pouco de minha intuição entre palavras e linhas muitas vezes desconexas para os que estão a observar se você for à destinatária talvez entenda o que sinto.
Se algumas dessas perguntas fossem para mim, responderia:
Eu sentaria no banco da praça sozinho ou acompanhado, adoro praças!
Sozinho não deitaria na grama, mas com a companhia certa esqueceria qualquer desconforto que ela me traz.
Agradar com sinceridade eu não sei, você poderia responder, pois é você que tem sonhos e eu sou apenas um bom observador, talvez um bom anfitrião para alguma ocasião que te faça feliz.
Eu cozinharia comida indiana, te mostraria outros sabores que tua boca, talvez deseje provar. Entre condimentos, aromas e sabores eu mostraria um mundo. E talvez tivesse a sorte de ver os teus lábios bem vermelhos e o olhar lacrimejante efeito de alguma erva picante. Deixaria você me ensinar tudo que te faz bem.
__ Risos...
Eu seguraria tua mão,
Sentiríamos os contrastes dos corpos pelo tato,
Talvez te mostre outras sensações ao ponto de guardar apenas carinho a quem te ensinou algo de bom. No fim talvez algumas lembranças ficassem cada vez mais esquecidas com novos ideais de felicidade, amor e carinho, é assim que as feridas saram.
Para muitas perguntas só o tempo,
O tempo é como o calor agindo sobre o fermento do pão,
Do carinho aquecendo um coração, dias após dia com algumas palavras despertando interesse e até dúvidas e com toda razão,
Mas moça é assim mesmo o coração, um homem só é capaz de alguma coisa quando é despertado nele uma força, o amor, a inspiração para qualquer manifestação literária mesmo que uma resposta de um post, de um blog só uma mulher especial fariam alguém dedicar algumas linhas com boa intenção e zelo.
Se o post “Me conta um segredo” for para mim, haverá apenas um segredo que não contarei!
Se houver resposta. Continua...
Well

Aline [ou Réu] disse...

não dá pra saber quem você é, né...

Layz Costa disse...

Teu espaço... atraente, envolvente. Já te sigo!!... se puder, visita minha página, seria uma honra tê-la como seguidora.