segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Sentimento (2009)

"De inicio é sutil.

Infiltra-se quente,

Dilata os poros, alcança as entranhas.

Emaranha-se nos cabelos;

Entrelaça-se na memória.

E então revela-se:

Misterioso; sufocante; necessário,

À olhos tão cegos, à ouvidos tão surdos.

Se correspondido é mel; é volúpia; é cor.

Traz o beijo, aproxima o sol;

Concretiza a ânsia e tudo acalma.

Mas se incapaz de perdurar,

Dilacera a alma, derrama os céus.

Ensangüenta os sentidos.

Apodrece a razão.

E cria a falsa esperança,

Pela qual voa-se sem asas, corre-se sem membros,

Fere-se sem lança.

De repente, existir são só lembranças.

E a dor é companheira.

De um tal de amor – obsessivo!

Num coração à deriva."


é um dos poemas que eu falei, lembra?

Nenhum comentário: